Finalização Março #mulheresparaler

Então, vamos lá! Fazer o "balanço" das leituras  deste mês que foi dedicado a autoras!

Foram SEIS leituras, todas com uma avaliação muito positiva!


Aqui estão os três físicos que são meus. O Diário de Anne Frank era emprestado, dois foram no e-reader...

Comecei o mês com "Quarto", de Emma Donoghue, que li no Kindle. O livro deu origem ao filme que teve várias indicações ao Oscar. Achei a história sensível, mesmo contando uma história tão triste.

Depois, "A redoma de vidro", da Sylvia Plath, também uma narrativa que é angustiante mas muito sincera, muito real.

"De Cuba com carinho", livro incrível com posts do blog Genéracion Y alimentado pela cubana Yoani Sanchez, que faz forte oposição ao governo castrista. Para mim é sempre uma experiência incrível ler sobre a dicotomia vivida há tantos anos pelo povo cubano. Minha leitura coincidiu com a visita de Obama à ilha, que tornou-se histórica pois desde 1928 nenhum presidente estadunidense pisava na terra de Fidel... É uma experiência única ver a história acontecer assim, debaixo do nosso nariz, não é mesmo? Em nosso mundo de tantas tecnologias e ideias superficiais alguns acontecimentos mais profundos não ganham a importância que deveriam ter, ou pelo menos as perguntas que deveriam provocar. Outra leitura incrível...


Raul Castro, irmão e "herdeiro" de Fidel e o histórico aperto de mãos com Barack Obama.

"Miniaturista" , de Jessie Burton, trouxe uma narrativa de romance policial situada na Holanda do século XVII, com várias subtramas que apenas tornaram a leitura ainda melhor. Outra boa experiência!

Depois, li no meu Kindle o livro "A garota no trem", mais um romance policial, mas agora um  contemporâneo. Essa história me surpreendeu, pois vi várias pessoas que não gostaram ou se desinteressaram muito rapidamente da história. Mas eu gostei bastante, talvez por estar afastada desse tipo de leitura há algum tempo.

Encerrei março com "O diário de Anne Frank", um clássico da literatura que eu ainda não havia lido e também fiquei admirada com a maneira como despertou meu interesse. Realmente, a despeito de críticas que dizem que a escrita do texto não parece ter sido realizada por uma garota de 15 anos, achei bem condizente com a época. Talvez hoje, como infantilizamos nossos filhos até quase seus 20 e poucos anos, soe estranho algumas falas de Anne, mas tudo é uma questão de contextualizar. E o final, a maneira como o diário se encerra... que soco no estômago! Eu sabia do final, óbvio, mas mesmo assim é muito chocante a última frase do livro... Uma história para ser sempre relembrada, nunca repetida.

Pois é, seis leituras que só me enriqueceram... mas ficaram muitas outras para trás! Minha #TBR era impossível, continha 12 livros!!! Cheguei na metade, apesar de que os livros do Kindle são sempre imprevistos... Fora que não coloquei na lista os contos, que foram "O papel de parede amarelo", um conto do século XIX sobre depressão pós-parto (perturbador) e "Hop-Frog", de Edgar Allan Poe, do desafio #12mesesdePoe... Incrível, sombrio. Maravilhoso!

EITA QUE EU LEIO MESMO!


Vamos para abril e mais leituras!

Se chegou até aqui, obrigada e volte sempre!

Beijo!

Comentários

Postagens mais visitadas