41º LIVRO DO ANO

"A GUERRA DOS TRONOS - AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO" (LIVRO UM) GEORGE R. R. MARTIN

Será que tem alguém além de mim que não saiba ainda do que se trata essa fantasia para adultos de primeiríssima qualidade? Creio que fui uma das últimas pessoas a inteirar-se da história... no mundo, veja bem...rs

Imagine um assunto. Qualquer assunto. Imagine um assunto que todo mundo - TODO MUNDO MESMO - está falando sobre ele. No trabalho, no metrô, em suas redes sociais. Você sabe vagamente do que se trata, mas nunca se interessou profundamente por ele. Até que vai boiando, boiando... E resolve pegar um livro.

E qual livro você escolhe???

Sim, um livro sobre o assunto!

Com a última temporada de "Game of Thrones" exibida há pouco tempo pela HBO e com a primeira edição da Saga (Editora Leya) já comprada desde novembro na estante resolvi tentar,  para ver se ia dar química. Além disso, o livro se encaixa no meu desafio do Calendário - esse mês, era ler um livro com mais de 500 páginas... sem contar que eu sou muito assim: se pego a hype (muitos elogios e indicações sobre determinada série ou livro) acabo evitando ver naquele momento e, se perco a vontade depois, demoro a retomar... 

 Descompromissadamente, sem nenhuma expectativa, resolvi ler. E MEU DEUS! QUE LIVRO, QUERIDA AUDIÊNCIA! QUE HISTÓRIA!!!

Eu sou apaixonada por novela de cavalaria, é um tipo de escrita que me encanta, me prende e me fascina mesmo. Este ano li Bernard Cornwell logo em janeiro e fiquei apaixonada. Mas dizer que "A Guerra Dos Tronos" seja uma novela de cavalaria é incorreto.  "A Guerra dos Tronos" é um livro de fantasia de muita qualidade escrito para adultos. 

Caso você, assim como eu, não saiba do que se trata, é uma  ficção ambientada numa época que remete ao período medieval ocidental. É uma terra inventada, fictícia, mas descrita numa riqueza de detalhes que você tem certeza de que já passou por ali em algum mapa na escola... São castelos,  são clãs de famílias descritos de maneira fragmentada, cada capítulo (normalmente curto) traz a história  de um integrante de determinada Casa  e assim, de maneira muito sutil, uma trama de cavaleiros, Lordes, Senhores, Príncipes e Vassalos vai sendo tecida com toques de sobrenatural. Uma mistura que se você me perguntasse antes de eu ter lido eu diria com certeza que não daria certo. Mas, meu amigo, deu muito certo sim!

Primeiramente é uma história muito bem amarrada. Você tem conhecimento de que nessa terra fictícia existem sete reinos governados por um só Grande Rei. Esse Rei governa do trono de ferro, feito de espadas de guerreiros derrotados e forjados há muitos anos atrás e passado de geração para geração. 


Este é o trono da Série da HBO.

Pois bem, o atual Rei - Robert Baratheon - acabou de perder seu homem de confiança - chamado de "A mão do Rei" - em circunstâncias suspeitas. Apesar da maioria achar melhor deixar para lá, corre a boca pequena a desconfiança devido a morte repentina. Com isso, entra em cena a Casa Stark: Robert resolve convidar seu grande e querido amigo Eddard Stark - Ned- para ser a nova Mão do Rei. Apesar da relutância, Ned acaba aceitando. 

A família Stark tem vários personagens e muito destaque na trama. Um "acidente" ocorrido com um dos filhos de Lorde Stark vai perpetrar todo o clima do livro, pois o menino Bran, com pouco mais de sete anos, ouviu e viu um segredo envolvendo Cersei Lannister, esposa de Robert e portanto rainha. Depois de ouvir o tal segredo, ele "cai" de uma altura tal e fica entre a vida e a morte. Página por página você vai compreendendo o que está acontecendo. Na verdade, Stark acaba se envolvendo numa trama de conspiração e traição sem se dar conta. Ele é meio o herói, o cara que quer fazer a s coisas darem certo, mesmo vendo o quão difícil pode ser isso.

Paralela a essa trama envolvendo o Rei e as Casas Stark e Lannister, temos a história de Daenerys Targaryen, a última de sua Casa, "herdeira do Dragão". É uma casa da antiga dinastia, quase inumana. Seus descendentes são belos, com "olhos lilases, índigo ou violeta e cabelos ouro-prateados ou branco platinados" .  Ou seja, quase deuses. Na verdade, restam Viserys , o irmão mais velho e Daenerys, sendo que Viserys busca "negociar" a irmã em troca de um reino - ou seja, torná-la rainha para conseguir algum benefício com isso. Essa Casa traz o toque de fantasia para a história, o sobrenatural da trama passa especialmente por aqui, apesar de estar salpicada também na história de Jon Snow, o filho bastardo de Eddard Stark . 

Renegado pela Rainha Catelyn, Jon decide fazer o juramento dos Patrulheiros da Noite que guardam a Grande Muralha , que divide o território. Esses Patrulheiros são envoltos em mistérios e Jon, melancólico e sombrio, acaba encontrando ali seu caminho. Ou tentando encontrar... Jon não sabe quem é sua mãe, pois apesar de ser criado entre os filhos de Eddard sempre foi O bastardo e Eddard não fala sobre a mãe do rapaz. Bravo rapaz, por sinal. Cheio de honra!

Outro personagem de destaque é Tyrion, filho da Casa Lannister e irmão de Cersei. Ele é anão, o que era uma vergonha para seu pai. Achincalhado toda a vida por sua baixa estatura, Tyrion compensa em inteligência e sarcasmo. Um dos melhores personagens da trama!

Muita violência, sexo (descrito de maneira a chocar, esteja pronto) e momentos de perder o fôlego, com reviravoltas que vão te deixando cada vez mais ansioso por saber o desfecho. Apesar de muitos nomes e muitos acontecimentos, a maneira como é descrita é deliciosa. Os personagens são complexos, muito humanos: não são totalmente bons nem completamente ruins. Lidam com seus interesses, às vezes cruéis, às vezes vítimas  de culturas estranhas para nós. 

Ainda estou lidando com certos acontecimentos do  final do livro... Não aceitei bem (apesar de saber que seriam os mais plausíveis para a história). 

Entretenimento de qualidade faz isso: você se apega a personagens, admira-os ou os odeia. E fica aqui esperando mais...

Super recomendo!
BOA LEITURA!

P.S. :George R. R. Martin disse em um determinado momento que o Trono que ele imagina, apesar de ter sido muito bem feito na TV, é desconfortável, descomunal. Ele disse algo do tipo que as pessoas não deveriam querer sentar no trono, deveriam temê-lo. E um artista fez o trono mais próximo do que o autor imaginou. Ei-lo:





"O inverno está chegando..."
(lema da Casa Stark, cujo símbolo é um lobo. Aliás, os lobos tem um papel importante  no decorrer da trama.)



"Quando se joga o jogo dos tronos, ganha-se ou morre. Não existe meio termo."
(Cersei Lannister, pág. 346)

Comentários

Postagens mais visitadas