68º LIVRO DO ANO

"A FÚRIA DOS REIS  - AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO - LIVRO 2 " , GEORGE R.R. 
MARTIN



Continuando a saga da Guerra dos Tronos, terminei o livro 2! (O livro 1 li em julho desse ano e minhas impressões sobre ele estão aqui). É difícil resumir adequadamente as histórias dessa Saga, já que além de muitos acontecimentos também temos aqui muitos personagens... Portanto, para o caso de você estar chegando agora à esse mundo novo como eu, possivelmente haverá spoilers. E não serão poucos... 

Nesta narrativa, Martin vai nos mostrando o tamanho do caos que a morte de Ned e de Robert Baratheon causaram nos Sete Reinos. Robert morreu supostamente devido a um ataque de um javali gigante enquanto caçava - bêbado, como de hábito. Sua jovem e bela esposa, Cersei Lannnister aproveita-se da ocasião e já empossa o jovem herdeiro arrogante e mimado Joffrey (adolescentes de treze anos nunca deveriam herdar tronos, ainda mais esse) e se auto intitula novo Rei dos sete reinos. Com toda a sua arrogância e imaturidade, Joffrey é cruel, maldoso, imprudente. O tipo de líder que é rapidamente odiado, até porque é notório que as decisões de fato estão nas mãos de Cersei e da nova Mão do Rei, Tyrion - tio do rapaz. E, obviamente, o que se espera é  o juramento de lealdade de todas as Casas do reino ou a morte deles. Simples assim.

Robb, o filho mais velho da casa Stark, sai com seu exército a fim de vingar a morte de seu pai e tirar Joffrey do trono, já que sabe que ele não é herdeiro legítimo.

E, bem resumidamente é isso: o segundo livro vai nos levar a conhecer as estratégias das Casas e quem está ao lado ou contra quem (o que é bem difícil, já que há muitas traições e jogos de interesses pelo meio. 

É um livro mais lento do que o primeiro, pois além das movimentações que temos em seu decorrer,organização das batalhas, as conversas de "bastidores", a religiosidade e o sobrenatural que vai acontecendo - fica subentendido que é uma preparação para o próximo, mas não há grandes narrativas sobre batalhas ... a não ser a que foi organizada por Tyrion .Particularmente, não sou muito fã de descrições de batalhas...a lentidão do livro não provoca decepção: pelo contrário, dá a impressão de acontecimentos em tempo real, dando maior veracidade ao que está sendo narrado. Dá uma certa ansiedade também, uma vontade de saber logo o que vai acontecer.

Robb, autointitulado rei de Winterfell, está no campo de batalha e não há um capítulo com seus pensamento como há para os demais protagonistas. Sabemos o que está acontecendo com ele pelas notícias que vão chegando para os outros reis. Apesar de não ser exatamente os protagonistas, já que há toda uma gama de personagens essenciais para a história se desenvolver, as Casas Stark e Lannister estão no olho do furacão, já que Ned quando descobriu que Joffrey não era filho legítimo de Robert não fez questão nenhuma de esconder o que sabia e contou isso na cara da rainha Cersei (ô mulher inteligente e desprezível, meu Deus!) e logo ela deu jeito nisso. Ned também deduziu que foi esse "segredo" que causou o "acidente" de Bran, seu filho que "caiu" (apesar de ser exímio escalador) de uma torre. Cersei e seu irmão gêmeo Jaime, o Regicida são amantes e os três filhos da rainha são dele. 




A família Stark está totalmente desagregada. Catellyn está com o pai e com o Regicida na masmorra  (aliás, o capítulo sobre eles termina com um clifhanger de tirar o fôlego... mas logo voltei a respirar senão morreria roxa, já que o livro terminou e eu não descobri o que aconteceu depois dali...Coisas do senhor Martin).
 Robb  está na batalha. Arya está em escondida depois de ter sido capturada, fingido ser menino e agora está nas cozinhas de Harrenhal (mas não por muito tempo... ela é muito esperta!)
 Sansa segue como "convidada" (refém) em Rochedo Casterly com Lannister, sofrendo todo tipo de humilhação por parte de Joffrey, já que ela é a prometida dele (não até o final do livro... o que não quer dizer que as coisas melhorarão. Enfim...)
 Bran e Rickon estão em Winterfell. Bran descobre que é um warg, um troca-peles : ele pode entrar na mente de animais e controlá-los. Apesar de suas limitações, Bran é muito corajoso e age como um verdadeiro príncipe no comando do castelo. Porém, não consegue impedir a invasão e tomada do mesmo pelo estrupício do Theon Greyjoy, um protegido que cresceu com Ned e foi criado entre seus filhos mas que a perspectiva de se tornar rei de alguma coisa (já que é desprezado por sua família) o torna um traidor (para mim. Mas pode ser que ele fosse um traidor para o pai, já que após dez anos em Winterfell ele é mais Stark do que Greyjoy). Com a ajuda de aliados (os irmãos verdes, Hodor e Osha), Bran e Rickon fogem na calada da noite para protegerem-se de Greyjoy. Não sabemos o que aconteceu com eles até uma invasão - baseada em traição - acontecer e Greyjoy perder Winterfell. Os irmãos terminam separados para se protegerem. 

"A fúria dos reis" é uma história de resiliência, de resistência e de inteligência
  envolvida com toda a estratégia que uma batalha pode exigir.Planejamento é a palavra.

Meus personagens preferidos continuam sendo Cersei (fria, má, cruel. Muito humana. O tipo que eu amo odiar), Arya (esperta, inteligente, irrequieta e destemida. A oração dela antes de dormir é recitar os nomes das pessoas que a prejudicaram ou à sua família para não esquecer quem ela quer matar... Adoro!), Tyrion (sofrido, desprezado, achincalhado por sua aparência grotesca, ele compensa tudo com a inteligência acima da média. Sabe quais são seus defeitos, mas prefere apoiar-se nas qualidades. Meticuloso...) e Jon (a melancolia de Jon me encanta! Forte, determinado, observador... Mas pronto para encarar o destino reservado...)

Daenerys apareceu um pouco. Continua seguindo para Westeros, mas ainda fazendo um pouco de turismo. Melhor parte foi quando ela passou por uma cidade e entrou na Casa dos Imortais,o toque sobrenatural, mais uma vez. Seus dragões também já estão causando : são temidos, são cobiçados e sua presença no mundo começa a afetar outras mágicas e poções. Tudo está ligado.

E, caros amigos, já ia me esquecendo: tudo isso acontece com a passagem de um cometa...

Vou ler o livro 3 no próximo ano... É um senhor calhamaço, mas promete! 



A escrita de George R.R. Martin é encantadora. Não dá vontade parar! Mas calhamaços demandam tempo, coisa que anda maio escassa por aqui...

Mas, fica a dica de uma leitura incrível. Eu não acompanho a série de TV, mas posso garantir que a história narrada se for levada assim para as telas deve ser fantástica!

BOA LEITURA! 😊

"A noite chega e agora começa a minha vigia. Não terminará até minha morte. Não tomarei esposa, não possuirei terras, não gerarei filhos. Não usarei coroa e não conquistarei glórias. Viverei e morrerei no meu posto. Sou a espada na escuridão. Sou o vigilante nas mulharas. Sou o fogo que arde contra o frio, a luz que traz consigo a alvorada, a trombeta que acorda os que dormem, o escudo que defende o reino dos homens. Dou a minha vida e a minha honra à Patrulha da Noite, por esta noite e por todas as noites que estão por vir."
(juramento dos Patrulheiros da muralha)

"Tyrion fala que as pessoas dizem frequentemente ter fome de verdade, mas raramente gostam do sabor quando elas lhes é servida."


"Quando arranca a língua de um homem, não está provando que ele é mentiroso, mas apenas dizendo ao mundo que teme o que ele possa dizer."

"Os únicos lobos que temos que temer são os que usam pele de homem."


Comentários

Postagens mais visitadas