71º LIVRO DO ANO

"BREVE ROMANCE DE SONHO", ARTHUR SCHNITZLER



História pequena, quase 100 páginas -  daqueles livros que são lidos "em uma sentada". Me interessou por ser o livro que inspirou o filme de Stanley Kubrick "De olhos bem fechados" (1999), o último realizado por esse que considero o maior cineasta de todos os tempos. Determinada a ler os livros que inspiraram seus maravilhosos filmes, cheguei neste aqui que inspirou o meu filme favorito de Kubrick.




(Já li "Laranja Mecânica", "2001 - uma odisseia no espaço" e "Lolita", que pretendo reler no próximo ano.)

Minha edição é da Biblioteca Folha, foi adquirida num sebo. A jacket está um pouco prejudicadinha, mas fora isso a edição está intacta:




Publicado pela primeira vez em 1926, o romance (segundo os especialistas) traz diversas alegorias psicanalíticas, como por exemplo o uso das máscaras e fantasias e o papel dos sonhos na vida do ser humano. Como eu não tenho formação para falar com propriedade, vou me deter a leitura realizada. 

O livro conta a história do dr. Fridolin e sua esposa Albertine. Eles vivem na Viena dos anos 1920, tem uma filhinha e uma vida bem estruturada emocional e financeiramente. Ele é um médico bem sucedido e proporciona à Albertine e a filhinha uma vida próspera, uma posição na sociedade da época.

Um dia, após uma festa em que ambos foram  assediados e se livraram de seus "admiradores", eles chegam em casa e se entregam a uma noite de amor, (é comentado inclusive que foi uma noite como há muito não acontecia, com tamanho desejo e entrega por parte de ambos). Albertine, meio que sem propósito, relembra de férias que o casal recentemente passaram em um balneário na Dinamarca. Especificamente, ela cita um determinado hóspede com o qual cruzou na escada do hotel. Eles se olharam e por uma dessas causas que nunca saberemos porque acontecem, ela desejou-o com tamanha profundidade que estaria disposta a ir embora com ele no momento em que ele a chamasse. (imagina a pessoa contando isso para o marido em 1920... aliás, em qualquer época... no mínimo, difícil de ouvir...) Fridolin, meio como "troco", lembra-se de uma garota com a qual também flertou no último dia de férias no mesmo balneário e a conversa fica meio por isso mesmo.

Aparentemente.

Porém, naquela noite, Fridolin precisa sair para atender um paciente em casa. Ele vai,  mas a conversa com a esposa não sai de sua cabeça, abalando seu mundo que parecia tão estável. Um determinado acontecimento na casa do tal paciente mexe mais um pouco com essa questão do desejo fora do casamento e, para coroar todos os medos do doutor, quando ele chega em casa a esposa estava dormindo e sorrindo, parecendo satisfeita, feliz... e quando acorda conta (por muita insistência do próprio marido) que estava sonhando com o rapaz das férias, o tal por quem ela disse que largaria tudo!

A partir daí, um enorme conflito se forma no interior de Fridolin. Ele passa a questionar seu relacionamento e, especialmente, o caráter de sua esposa, das mulheres em geral, o seu... Há passagens em que o autor deixa fluir o os pensamentos de Fridolin, quando numa fração de segundos ele vai pensando o que poderia fazer e o quais causas sua atitude poderia ter (por exemplo, se ele reagisse violentamente a um esbarrão na rua: bater no outro homem e correr o risco de apanhar, levar uma facada, ficar afastado do trabalho, perder um olho... ou deixar pra lá e se sentir um covarde ou um homem que não fez o que era necessário? ) É interessante acompanhar como a angústia crescente no personagem faz com que sua tendência a agir por impulso seja maior, colocando-se em situações que sugerem vingança, desejo, dúvida... Ele chega a fazer coisas que normalmente não faria. Ou faria, mas está amarrado a convenções (enfim, aqui entra o entendimento de cada leitor).

O livro vai nos levando pelos pensamentos e as atitudes do protagonista. Ele parece querer provar para si mesmo que ele pode ser diferente daquele homem tão pacífico, tranquilo e acomodado com a posição que conquistou. Ele pode ser ousado. 

Será?



A questão é que em algum momento ele precisará encarar a realidade e enfrentar seus novos medos. Mas, suas atitudes podem modificar tudo isso para sempre, conduzindo-o a um caminho sem volta.

História incrível, leitura curtinha mas que vale muito a pena por todo o significado que carrega em si. Aproveite!

BOA LEITURA! 😊


"... suspeito que a realidade de uma noite ou mesmo de toda uma vida não significa sua verdade mais íntima."

Comentários

Postagens mais visitadas