Desafio de Leitura - #12mesesdePoe



Dando continuidade ao Desafio "12 meses de Poe", esse mês a escolha recai sobre "Eleonora", conto de 1841 e o poema "Annabel Lee", de 1849 - publicado apenas poucos meses depois da morte do autor, portanto, seu último poema completo. 

Este mês também é a estreia da leitura do meu livro LINDO da editora Darkside, recém adquirido:

Coisinha mais linda!





Vamos ao conto:



"Eleonora" fala da história de um casal de primos apaixonados que vivem em um lugar belíssimo chamado de Vale da Relva Multicor. O casal tem a  companhia somente da mãe da prima - que é a moça que dá título ao conto. Vivendo em um lugar tão paradisíaco e isolado, é de se imaginar que eles passam a viver no céu. Eles crescem juntos e o amor deles é daquele tipo que vai despontando pouco a pouco... E quando finalmente desabrocha...

"Uma mudança recaiu sobre todas as coisas. Flores estranhas e brilhantes , em forma de estrelas, reluziam em árvores até então sem flores. O gramado se tornou mais verde e quando, uma por uma, as margaridas brancas encolheram, floriram em seu lugar dezenas e dezenas de abróteas vermelhas."

Porém, sendo esse um conto de Poe é de se imaginar que tamanha felicidade não durará para sempre. Eleonora cai doente e, pressentindo a chegada da morte, termina por fazer uma confissão ao amado: teme que, após sua morte ele abandone o lugar tão mágico e significativo onde desfrutaram  brevemente o amor e acabe se casando com outra mulher. Ele jura que não, que prefere ser castigado a amar alguém que não ela, a partir do Vale... E Eleonora, em troca, jura que mesmo após sua morte continuará a zelar por ele.

Porém, os anos passam e o Vale, antes reduto de amor, passa a ser apenas um lugar cheio de lembranças tristes para o narrador... Então..

Final bonito, surpreendente. Não deixe de conferir!


Annabel Lee

imagem retirada de http://myblob-rosa.blogspot.com.br/2011/11/annabel-lee-edgar-allan-poe.html

O poema "Annabel Lee" é também, a princípio, uma ode ao amor. Narra a trajetória de um casal que tanto se ama que chega a provocar a inveja dos anjos... E acontece uma trágica separação, condenando um deles a um sofrimento eterno. 

Sombrio, triste, mas muito bonito. Os poemas de Poe tem me parecido muito românticos e melancólicos, com finais tristes... 

Indicar Allan Poe é chover no molhado. Sua escrita é muito mais do que terror e medo. Há sim o lado mais sombrio do ser humano traduzido de várias formas ali, mas sem dúvida é um texto de qualidade inigualável, que você não verá nos dias de hoje. Leia. Você vai me agradecer.

BOA LEITURA! 📚

Comentários

Postagens mais visitadas